DIDÁTICA DO PRETEXTO DIVINO

Olhai para Abraão, vosso pai, e para Sara, que vos deu à luz; porque era ele único, quando eu o chamei, o abençoei e o multipliquei. Isaias 51:2

O senso pedagógico de Deus é extraordinário. Ele é mestre por excelência e sua didática infalível e inquestionável. 
Capaz de usar as coisas mais infantis e simples à fim de produzir profundas lições e experiências.
Aliás;(...)..., Em todo Antigo Testamento, a começar com a didática do fruto proibido no Gênesis, como na simplicidade do Evangelho de Jesus Cristo em seus ensinos parabólicos, encontramos a pedagogia celestial sendo ministrada de uma forma extremamente singela, de tal forma compreensível  para todo aquele que queira realmente usufruir dos mais profundos ensinos e experiências!
Nada e ninguém pode desculpar-se do compromisso na chamada de Deus para um novo tempo! 
Observemos o senso didático do ensino de Isaias 51:2.
 Leiamos mais uma vez: "Olhai para Abraão, vosso pai, e para Sara, que vos deu à luz; porque era ele único, quando eu o chamei, o abençoei e o multipliquei." Isaias 51:2.

Isaias é porta voz de um grande ensino contido na declaração exortativa acima. 
Vejamos como Deus usa de um pretexto no contexto para revelar ao seu povo ontem e ao seu povo hoje, e aos seus em todo o tempo, a urgente necessidade de obedecer ao seu chamado!
Quando Ele declara: Olhai para Abraão...; 
...na verdade que levar o olhar atento em prjeção ao passado,ao dia de ontem da economia divina, aos dias do patriarca, querendo dizer com isso nas entrelinhas:  Olhai também para hoje!
Sim! É a ditática do pretexto no contexto,ensinando e revelando que assim como Ele chamou nos dias passados, homens como Noé, Abraão,José, Davi, Pedro, Paulo e tantos outros; hoje, no dia e no tempo chamado hoje, Ele continua chamando!
Porque hoje? Por que já chamou ontem e por que chamará amanhã e também por que chamará sempre! Olhai para Abraão...
..porque ele era único(...).
Tal declaração acima desmonta qualquer justificativa de fuga ou ausência de chamado. Posso querer argumentar com o mestre por excelência:
-porque eu?
Ele me responderá em seu pretexto didático:
-porque eu chamei Abraão, e, se chamei ele, chamo-te também.
Posso querer ainda assim escorregar de suas mãos e de seu chamado sendo politicamente correto em minhas justificativa de dizer, ...mas eu sou casado e tenho responsabilidades conjugais e torna-se difícil um chamado nos dias tão corridos e agitados de hoje.
 Ele me responderá e desfará todo o meu pretexto político com seu pretexto
didático e me dirá:
-eu chamei Sara também, olhe voce e sua esposa para ela!
Posso ainda ousar a dar mais uma desculpa esfarrapada ao tentar argumentar e até dizer:
-Senhor: essa justificativa que lhe apresento me isentará da responsabilidade da chamada para um novo tempo (...)
-Vai lá, apresente-a! Diz Ele!
_Senhor, além de minhas responsabilidades e preocupações pessoais, tendo ainda a nobre tarefa que é cuidar das demandas conjugais; tenho filhos para tratar e meu tempo parece que não esta adequado com o teu tempo!
-Meu filho, vou ensinar-te uma coisa sobre a chamada de Abraão:(...). Responde o Senhor!
-porque era ele único, quando eu o chamei, o abençoei e o multipliquei(...) e cuidei quando ele era único, abençoei a sua esposa,(...) e multipliquei e abençoei seus filhos e sua descendência,(...); então: Eu abençoarei os seus também e sua descedência!
A forma e a fórmula que Deus usa quando quer estabelecer seus propósitos em nós e através de nós são inquestionáveis e devem ser alvos de obediência irrestrita, pois, se Ele deu garantias no passado de fidelidade e êxito, nos dará também nos dias de hoje! Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e eternamente. Hb 13:8.
Ficam assim envolvidos na chamada de Deus: a responsabilidade do dia chamado hoje(tempo); a responsabilidade de cada indivíduo(eu) ; e por fim a responsabilidade coletiva (nós).
Quando Deus invoca a história de Abraão e a usa para ensino, Ele tem no coração a firme certeza que o seu povo (Igreja) irá cumprir seus designios e obedecerá a sua chamada. Assim será a minha palavra, que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei. Isaias 55:11.
Para qualquer contexto apresentado pelo homem, sempre haverá um pretexto de Deus!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE REALMENTE QUER DIZER O PREGADOR SOBRE ECLESIASTES 9:8?

“ATITUDES INDISPENSÁVEIS EM RELAÇÃO AO GENUÍNO EVANGELHO!” (1a parte)

"A Igreja Fábrica de Gente e Suas Peças de Produção"