“DETERMINAÇÃO NA VIDEIRA: PERMANECER E FRUTIFICAR!”

Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim.
Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.
Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem.
Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito. João 15:4-7
ALGUÉM DISSE CERTA VEZ: Quando um ramo não dá fruto, é porque ele se desconectou da fonte de seiva de algum modo, pois, do lado do agricultor, todo trabalho de cuidado é feito. Assim, quem recebe a Seiva da Vida, mas se bloqueia para ela, mesmo reconhecendo-a como verdadeira, faz-se qual um ramo desconectado da Videira e morre!”
 A realidade de frutificar ou não, de ser vara ou não, de ser limpo ou não, de produzir ou não, não está longe da videira, mas por incrível que pareça, pertinho dela, intimamente  ligado a ela! Sendo assim: PERMANECER OU NÃO, SUBORDINA ,de- ter- mina,  de “ter- uma- mina- de- seiva - de vida” ,ou; “termina” o fluxo da frutificação!
“ELE" QUE É “ELA”, (Videira-Verdadeira), NOS ESCOLHEU PARA PERMANECER!
DETERMINEMOS PERMANECER  E  FRUTIFICAR!
Uma vez nela, videira, quais são as implicações em permanecer?
JESUS  em verdade nos ensina! Vejamos então:
“PERMANECER”: SUBORDINAÇÃO CONDICIONAL NATURAL DO RAMO!
Subordinação é a dependência de uma coisa em relação a outra.
Exprime uma condição pela qual o fato de alguma coisa principal se realiza ou  não se realiza. Na esfera da  análise gramatical essa conjunção subordinativa condicional, seria: se, caso, contanto que, a não ser que, desde que, salvo se, etc.
Entende-se então a partir desta condição subordinativa que; se nós como ramos “não permanecermos subordinados", nada produziremos de frutos"na videira e "para o agricultor!"
“Se  permanecermos", frutificaremos!
O segredo das nossas realizações na “frutificação maravilhosa produzida pela e na videira verdadeira” é em estar e permanecer subordinados em total e  em natural descanso na videira verdadeira!
PERMANECER É UMA SUBORDINAÇÃO GRACIOSA QUE NASCE PRIMEIRO NO CORAÇÃO DE JESUS!
Ele mesmo declarou: …eu permaneço em vós!...15:4b. 
Esse fato é Graça, de que, “Ele” primeiro subornida-se a si mesmo para que  “Ele mesmo esteja  em nós!”
O segredo para “determinar” e  se “apropriar” dessa verdade é revelado na proposta da aceitação de seu convite maravilhoso: e de sua graciosa subordinação em nossos corações! …e “Se” as minhas palavras permanecerem em vós…! 15.7b
Tal subordinação que vem de  Cristo em nós, deverá expulsar quaisquer outras subordinações que não sejam a seiva de vida da presença graciosa de Jesus. Determine sim, que suas palavras (videira) em nós, configurem sua própria presença, expulsando qualquer outra entidade que não seja a verdadeira fonte inesgotável de vida, que dá vida ao ramos nela conectados!
Quantas outras tantas seivas querem substituir a “verdadeira seiva” que é a Palavra de Jesus em nosso ser!
Muito melhor é a permanência das palavras de Cristo em nós, do que milhões de outras,  por mais encantadoras ou sedutoras que sejam, que tornar-se-ão inúteis e infrutíferas em nossas vidas!
PERMANECER É “A CHAVE” PARA PEDIR!
…pedi o que quiserdes! A videira declara em João 15:7.
Jesus revela na  “condição de permanecer”  a  “habilitação e capacitação para reivindicar!”
É receber dele uma “chave” que possui a capacidade de abrir as porta da petição! Pedir com um desejo,que, a priori, carrega em sí já amalgamado como uma vontade liquefeita a qual é o próprio espírito de oração que flui da videira, que com sua seiva, se dilui nos ramos e chega transformado em oração  sincera e mensurável, produzindo as respostas,ou seja, os frutos!
Entretanto:
Pedir “não permanecendo”, é apenas e tão sómente um pedir. Uma oração religiosa. Uma prática piedosa. Uma obrigação legalista!Pedir “permanecendo”, é a certeza de ser ouvido como parte de uma relação visceral de implicações orgânicas-(árvore-vara). Um pedido de filho ao pai. De amigo a um verdadeiro amigo. Uma prática de discípulo genuíno.Uma desobrigação religiosa, entretanto, uma obrigação constrangedora da Graça que carrega consigo não somente o desejo de frutificação pessoal, mas inclue a frutificação de “outras varinhas” produzidas na graciosa videira, potencialmente capacitadas para produzir através do regar da oração! 
PERMANECER É A “PORTA” PARA RECEBER!
Sim!...
Se temos a “chave” para “pedir” , temos também a “porta” para “receber” !
Quando “permanecemos” nas palavras de Jesus, tanto a “petição” como a “resposta” estarão em concordância com a economia da fé. Serão como sementes no terreno onde está plantada a videira que uma vez lançadas, na terra, no seu devido tempo, produzirão outras videiras e outros frutos num ciclo interminável de bençãos do agricultor!
Permanecer deve ser uma determinação da alma que abrirá as portas do ciclo da vindima de Deus em nossas vidas e propiciarão  o amém e o sim de Deus configurados em frutificação! "Pois, tantas quantas forem as promessas de Deus, nele está o sim; portanto é por ele o amém, para glória de Deus por nosso intermédio.”- (ou seja; através de nós!!!). 2 Co 1:20.
No desejo de estar na videira e frutificar!
Bonani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE REALMENTE QUER DIZER O PREGADOR SOBRE ECLESIASTES 9:8?

“ATITUDES INDISPENSÁVEIS EM RELAÇÃO AO GENUÍNO EVANGELHO!” (1a parte)

"A Igreja Fábrica de Gente e Suas Peças de Produção"