"Sem Espelho Não Há Igreja!"


Ora, o Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade.
Mas todos nós, com rosto descoberto, "refletindo como um espelho" a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.
2 Coríntios 3:17,18

Quando Jesus usa pela primeira vez o termo Igreja no Novo Testamento, ele o faz no chão mais pagão da geografia palestiniana do seu tempo,ou seja, em Cesareia  de Filipos.
Cesareia de Filipos (em latim Caesarea Philippi) era uma antiga cidade, localizada no sopé sudoeste do monte Hermon (em árabe Jebel esh-Sheikh), na atual região arqueológica de Banias.
Por volta do ano 20 a.C. o rei Herodes, o grande, construiu aos pés do monte Hermon um templo branco de mármore, e dedicou a César Augusto.
Quando Herodes morreu a cidade ficou nas mãos de seu filho, Herodes Filipe, que a ampliou, e embelezou, e a chamou de Cesareia de Filipe, para alcançar graça diante seu imperador Tibério César, e também distingui-la da outra Cesareia. Ou seja, essa cidade era o "Portal" da adoração idolatrica ao Deus César.
Foi nesse contexto e nesse ambiente que Jesus fundou sua Igreja.
Mas não pediu que Pedro comprasse o púlpito. Nem ordenou que os filhos de Zebedeu, Tiago e João trouxessem os bancos ou cadeiras. Nem vejo Bartolomeu ou André afinando as guitarras e Judas Iscariotes responsável pelo gazofilaceo.
Igreja(Eklesia) era um termo conhecido dos discípulos, oriundo da cultura grega, a qual foi adotada pela política romana e implantada em todo império conquistado da qual a Palestina fazia parte como colônia.
Sendo assim, nunca "Jesus pensou em Igreja de Jesus"nas categorias  das igrejas  de Jesus de hoje é muito menos na performance que mencionei acima como nós experimentamos hoje!
Retornando quase quinhentos anos antes de Jesus nascer, o conceito Eklesia(Igreja) não era  um público de espectadores como o é hoje conhecido entre nós "igreja". Jesus faz uso de um termo usual em sua época para através dele, dar um novo significado!
Era uma  convocação que se  dava num tipo de teatro. Nos seus teatros,(gregos), a parte reservada  para os espectadores elevava-se em degraus sobrepostos por arcos concentricos, e toda gente  podia olhar um no outro como se você seu espelho.
Podemos então nos certificar, pela forma primitiva, que a ideia de ser Igreja nasce com essa marca. Era uma espécie de espelho em que o homem se refletia a si próprio.
Por essa razão, Paulo no contexto da capítulo 3 de sua Segunda Carta aos Coríntios da ênfase ao testemunho da Igreja e seu Evangelho, usando a analogia do espelho!
Esse é o espírito da genuína "Igreja". Como espelhos refletindo no rosto do irmão a Glória de Cristo.
O que passar disso é entretenimento ou ajustamento de indivíduos!

"...para que todos sejam um, Pai, como tu estás em mim e eu em ti. Que eles também estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.
Dei-lhes a glória que me deste, para que eles sejam um, assim como nós somos um:
eu neles e tu em mim. Que eles sejam levados à plena unidade, para que o mundo saiba que tu me enviaste, e os amaste como igualmente me amaste." João 17:21-23

Bonani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE REALMENTE QUER DIZER O PREGADOR SOBRE ECLESIASTES 9:8?

“ATITUDES INDISPENSÁVEIS EM RELAÇÃO AO GENUÍNO EVANGELHO!” (1a parte)

"A Igreja Fábrica de Gente e Suas Peças de Produção"