Filosofando a Ciência


 "Aquilo que outros homens, em outras épocas, consideraram como ciência, sempre parece ridículo, séculos depois. Isto acontecerá também com a nossa ciência."


"O que não é problemático não é pensado."

"Quem não é capaz de perceber e formular problemas com clareza não pode fazer ciência."

"Você sabe que o automóvel, tal como foi planejado, é uma máquina ideal que funciona perfeitamente. Antes de ser transformada em peças, engrenagens, tubos, parafusos, ela foi construída idealmente, na imaginação, por pessoas que foram capazes de simular o real. Esta é a grande função e o poder mágico do pensamento: ele pode simular o real, antes que as coisas aconteçam."

"Nossos textos de ciência, no futuro. Serão provavelmente citados como superstições primitivas."

“Todo conhecimento tem uma finalidade. Saber por saber, por mais que se diga em contrário, não passa de um contra-senso” (Miguel de Unamuno, O Sentimento Trágico da Vida, p. 28).

O místico crê num Deus desconhecido.O pensador e o cientista crêem numa ordem desconhecida. É difícil dizer qual deles sobrepuja o outro em sua devoção não racional. L. L. Whyte

"A ciência é uma função da vida. Justifica-se apenas enquanto órgão adequado à nossa sobrevivência. Uma ciência que se divorciou da vida perdeu a sua legitimação."

"O mundo de cada um é sempre lógico do seu ponto de vista."

"O cientista é um caçador do invisível. Um cientista sem imaginação é como um pássaro sem asas."

“A ciência não é um sistema de declarações certas e bem estabelecidas; nem é ela um sistema que avança para um estado final. Nossa ciência não é conhecimento (episteme) ela não pode nunca pretender haver atingido a verdade, nem mesmo um substituto para ela, como a probabilidade” (Karl Popper. The Logic of Scientific Discovery. § 85, p. 278).

Textos extraídos do livro; "Filosofia da Ciência", Rubem Alves
Bonani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O QUE REALMENTE QUER DIZER O PREGADOR SOBRE ECLESIASTES 9:8?

“ATITUDES INDISPENSÁVEIS EM RELAÇÃO AO GENUÍNO EVANGELHO!” (1a parte)

RELIGIÕES DO LIVRO E A INCOERÊNCIA DA LITERALIDADE!"